Top Indicados do Oscar - Casal Cultural

By Fevereiro 05, 2019
 Nossa lista dos filmes indicados para melhor filme de 2019 pelo Oscar do "menos bom" para o melhor
 

Como, todos sabem, falta pouco para a premiação do Oscar. E não é por que estamos na Bahia, na praia, e na ralação que não estamos ligados no que está rolando no mundo da sétima arte.

Em nosso tempo ocioso, quando chegamos em casa, sempre colocamos um filme para assistir em nosso “cineminha improvisado”. E foi assim que conseguimos prestigiar todos indicados a melhor filme que nos restavam por ver.

Esse ano, podemos assegurar que mudamos de favorito cada vez que assistíamos a um novo indicado. A lista está muito boa. E por esse motivo resolvemos trazer nossa opinião sobre os oito longa metragem que disputam o Oscar.

Nossa lista não trata de uma avaliação consistente, nem profissional acerca das obras, muito menos definem os favoritos à premiação. É apenas por questão de preferência pessoal.

Até agora não entramos em um consenso, porém para não matarmos um ao outro, conseguimos por meio de xingos, e pontapés, trazer uma lista oficial do Casal Cultural do melhor, ao “menos bom” dos indicados. Vamos lá?!

8. A Favorita (The Favourite)

O único filme de “época” dos indicados. A trama se passa na Inglaterra do século XVIII, a rainha- interpretada por Olivia Colman- tem um governo conturbado por conta da guerra com a França.

Além disso, ela passa por vários problemas temperamentais e possui saúde bem frágil, por conta desses problemas, Lady Sarah (Rachel Weisz) é seu braço direito, e de maneira autoritária aconselha a rainha Anne em tomadas de decisões.

O enredo começa a tomar forma quando a queridissíma Emma Stone- interpretando Abgail- uma antiga aristocrata, chega como empregada ao palácio. Ela se aproxima da rainha e faz de tudo para recuperar seu antigo status. Transformando dessa maneira seu relacionamento com Lady Sarah, uma disputa pela atenção e afeto da monarca.

O longa traz figurinos fantásticos, além de uma trilha sonora de respeito. O mais louvável do filme são as atuações. Emma Stone se provou mais uma vez.

Contudo, concordamos que foi o filme mais fraco das indicações, não que não seja uma boa película.

 

7. Pantera Negra (Black Panther)

Chegamos a um dos filmes históricos desse Oscar. O primeiro filme de super-heróis a ser indicado pela Academia para premiação de melhor filme. O longa também faz parte da franquia do universo cinematográfico Marvel.

Com certeza é uma película bem diferente de outras histórias de herói. O contexto político trazido é bem sólido e com um roteiro bem construído. Um filme bastante comercial, mas que abre um leque de oportunidades e ideias novas para outras obras do gênero.

Para além de dar visibilidade para um herói negro, africano, com uma cultura e tradição diferente das vistas em outras oportunidades, em diversas franquias hollywoodianas.

Não chegamos a um consenso de se é o melhor filme do gênero que já vimos, porém, de certo, um dos melhores. É um acerto sua indicação ao Oscar.

 

6. Bohemian Rapsody

Um filme biográfico na disputa. E que filmaço. Ele retrata a história do Queen, focando principalmente em Farrock Bulsara, também conhecido como Freddie Mercury.

O formato do filme ocorre de maneira inovadora, não funciona como as cinebiografias costumam fazer. É quase uma ficção. Algumas datas são alteradas para manter a continuidade do roteiro, os diálogos e ações são adaptados para uma dinâmica maior e os personagens são marcantes e de trejeitos característicos. Ao final, o filme acaba sendo uma grande homenagem ao Queen.

A trilha sonora, é claro, espetacular. As performances de enlouquecer. Os membros da banda, Brian MayJohn Deacon, e Roger Taylor parecem ser interpretados por eles mesmos no passado, ou alguns clones. Rami Malek,que interpreta o vocalista foi impecável, principalmente na apresentação do Live Aid. Robert DeNiro está na produção.

 

5. Roma

Mais um filme histórico na lista do Oscar. O primeiro filme produzido pela Netflix a lembrado pela Academia. E já foi logo recebendo 10 indicações. Que grande fase do sistema de streaming, não é?

Outro grande feito da obra foi concorrer nas categorias de melhor filme e melhor filme estrangeiro. Algo que só aconteceu em outras duas oportunidades com “O Tigre e o Dragão” e “A Vida é Bela”.

A produção do longa é mexicana, e conta a vida de Cleo, uma empregada doméstica que trabalha na casa de Sofia- matriarca de uma família de classe média.

O filme se passa no início da conturbada década de 1970, no México. Cleo, além de ter de lhe dar com seus próprios problemas, ainda é encarregada de problemas da casa, principalmente com os quatro filhos de Sofia, que está passando por um divórcio com o pai das crianças.

A obra mostra a situação da perspectiva da empregada. O filme é em preto e branco e o primeiro filme de Yalitza Aparicio, que está sendo indicada como melhor atriz, pelo papel de Cleo.

Uma obra muito boa do início ao fim, ótima direção e fotografia, e mais um daqueles filmes que todo mundo deveria ver. Não seria injusto vê-lo como melhor filme do ano.

 

4. Nasce uma Estrela (A Star is Born)

É a quarta vez que o título estreia nos cinemas, mas não é menos importante por esse motivo. O primeiro lançamento aconteceu em 1937. A trama é basicamente a mesma: Uma jovem- dessa vez interpretada por Lady Gaga- que quer ser uma estrela, e acaba sendo ajudada por alguém de já enorme sucesso- desta vez Bradley Cooper.

Os dois acabam se relacionando, e enquanto a jovem vai crescendo no meio artístico, a carreira do outro vai decaindo. Porém não se engane com uma sinopse parecida com essa. A mágica acontece na qualidade de todos os elementos que constituem a obra.

A atuação de Lady Gaga é forte concorrente para a premiação máxima.Para, além disso, ela também concorre à categoria de melhor canção, já que compôs a música tema do filme, “Shallow”.

Bradley Cooper não fica atrás. O além de estar concorrendo como melhor ator, ele ainda está na produção, assina o roteiro e é o diretor do filme. Não é pra qualquer um não.

Nasce Uma Estrela ainda traz outras grandes atuações como a de Sam Elliot, que faz o papel de agente, e irmão do personagem de Cooper. Também foi agraciado pela indicação ao Oscar. A única injustiça nesse filme, a nosso ver, foi de Cooper não estar disputando também na categoria de melhor diretor.

 

3. Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman)

Foi o primeiro dos oito indicados que vimos, ainda no ano passado. Antes mesmo de receber a indicação para melhor filme. Foi uma aposta que fizemos para indicação.

Simplesmente não teria condições, até mesmo politicamente falando, de “Infiltrado na Klan” ficar de fora das premiações. A obra traz, de maneira cômica e única, a incrível história real do detive negro que conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan.

Ron Stallworth entra na polícia em uma época de extremo preconceito e consegue por meio de cartas e telefonemas se afiliar ao grupo, nos encontros cara a cara, manda um policial branco (Adam Driver) em seu lugar. Dessa forma sabe os planos da Klan, e até torna-se amigo de sua maior liderança política da época, David Duke, (sujeito que teceu certo elogio a um candidato a presidência do Brasil no último ano).

O filme é intrigante e envolvente, cheio de reviravoltas e surpresas, e consegue fazer isso sem perder o bom humor. A direção fica por conta de Spike Lee, que também concorre ao Oscar.

 

2. Vice

É outra cinebiografia cômica. No entanto, uma comédia ácida, e bem mais característica. O formato da obra é similar ao de “A Grande Aposta” de 2015, que também contava com Adam Mckay na direção, Brad Pitt na produção, além de contar com Steve Carell e Christian Bale no elenco.

A história é a de Dick Cheney e sua busca por poder, até se tornar o vice-presidente mais poderoso do mundo, no governo de George W. Bush. A obra mostra como Cheney chegou naquele determinado status e tudo que foi capaz para chegar aonde chegou.

A obra também aborda outras personalidades políticas dos Estados Unidos, assim como a família de Dick Cheney.

Bale é outro forte concorrente para a categoria de melhor ator, encarnando de corpo e alma o vice-presidente. A trama é um verdadeiro “tapanacara”, e abre os olhos para questões políticas.

 

1. Green Book- O Guia (Green Book)

Com uma lista de tantas biografias, não seria diferente com o nosso primeiro lugar. Ele conta a história de Don Shirley, um pianista de jazz clássico, que sai em turnê para o sul dos EUA nos anos 1960.

Apesar de todo o sucesso do músico, por ser negro, não pode partilhar de algumas coisas, como, o mesmo restaurante, ou hotéis que sua plateia, formada principalmente pela burguesia.

Don Shirley (Mahershala Ali) contrata um motorista para acompanha-lo. Tony Vallelonga (Viggo Mortensen) é um ítalo-americano, preconceituoso, mas que faria qualquer coisa por uma grana, e acaba aceitando a tarefa, ele deve garantir que o músico chegue aos locais nos dias certos de sua turnê. E para isso usa um guia de locais onde os negros podem se hospedar ao sul.

A obra foca basicamente na relação de Don Shirley e Vallelonga, e como ela se desenrola.

Uma obra prima que marcará gerações. Um roteiro sensacional, e que segue em excelência até o momento final da película. Porém essa definição não é exclusiva e pode ser usada para outros filmes da lista.

 

E, aí? O que achou da lista? Já assistiram aos filmes? Se sim, qual seria a ordem da lista de vocês, conta aí pra gente!

Bônus:

Outros dois filmes que vimos merecem uma “menção honrosa”. São dois filmes que não foram lembrados nas indicações principais, porém em nosso ponto de vista, poderiam facilmente concorrer com outros da lista, ou, até mesmo substitui-los.

1. No Coração da Escuridão (First Reformed)

A obra conta a vida de um líder religioso (Ethan Hawke), que é encarregado de uma igreja turística nos Estados Unidos. Algumas questões morais e éticas acabam perturbando o pastor, e o fazem questionar se ele está do lado certo.

O desenrolar do roteiro acontece quando, uma das fiéis da igreja pede ao pastor que converse com seu marido, um ativista de causas ambientais, que se recusa a trazer um filho para viver no planeta Terra. O problema é que sua esposa está grávida.

Após o encontro o pastor começa a refletir acerca da ideia de mundo apresentada pelo homem que acaba de conhecer.

Um roteiro sem defeitos, e uma ideia completamente nova e contemporânea, uma reflexão para uma série de fatores ambientais. A obra concorre ao Oscar de melhor roteiro original, escrito por Paul Schrader.

 

2. The Ballad of Buster Scruggs

O filme trata o gênero do faroeste de maneira diferente. Uma coletânea de curtas histórias, feitas em diferentes estilos e com atores distintos para cada quadro.

Alguns nomes grandes englobam o elenco como, James Franco e Liam Neeson. Cada conto (dos seis, no total) é tratado de maneira diferente acerca de casos ocorridos ou que poderiam acontecer no velho oeste.

O roteiro ficou por conta dos consagrados, Joel e Ethan Coen, premiados por “Onde os Fracos Não Tem Vez”. A película, assim como “Roma”, é distribuída pela Netflix e faz história no Oscar. Ele é indicado por  melhor roteiro adaptado e melhor canção.

 

Instagram Casal Cultural