Nosso Acervo: O Carimbador Maluco

By Setembro 06, 2019

O Nosso Acervo de hoje traz uma obra icônica de Raul Seixas e um de seus maiores sucessos financeiros. Raul Seixas, apenas, ou O Carimbador Maluco é décimo primeiro disco do baiano.

 

A obra foi lançada em 1983 e gravada no mesmo ano. Raul passava por um momento turbulento na carreira. Em 1981 ele tinha sido descartado pela CBS, sua antiga gravadora, e sua última gravação datava de 1980. Muito da sua expulsão da gravadora seria pelo seu jeito “raulseixista” de levar a vida, seu não compromisso com horários e datas de gravação, e sua dificuldade de respeitar hierarquias, pelo seu espírito anárquico.

2

O dono da casa

Com a mudança na direção da gravadora, muitos pormenores deixaram o cantor chateado, como o descaso com a publicidade de seu álbum Abre-te Sésamo. Mas, foi quando a CBS pediu para que ele gravasse um disco homenageando o casamento do príncipe Charles com a princesa Diana que o roqueiro pediu demissãoIsso o levou a abusar de drogas e álcool por um tempo. Raulzito tentava vários contratos com gravadoras, porém sem sucesso. Foi o pequeno estúdio Eldorado que deu um telefonema favorável ao artista. Raul estava em um relacionamento com Kika Seixas, levando vida de casado. Ele juntou as composições de um projeto independente, com outras composições inacabadas de temáticas diversas, e foi gravar.

Muitas das canções presentes no álbum são em parceria com sua companheira.  O resultado é o melhor possível. Com certeza, o disco mais sóbrio do cantor e o mais eclético.Perto do lançamento do disco, a Rede Globo convidou Raul a participar de um especial infantil e interpretar um dos personagens. O programa se chamava Plunct Plact Zuuum.O cantor aceitou e compôs “Carimbador Maluco”, inspirado em sua filha que na época tinha dois anos. A música foi um sucesso de proporções nacionais. Apenas os fãs mais conservadores, que esperavam ansiosamente um retorno do roqueiro rebelde, se decepcionaram com a aparição do artista no programa.

A gravadora gostou tanto do resultado e pensando nas vendas do disco, resolveram incluir a faixa no álbum. A primeira prensagem estava pronta, e junto dela era incluso um compacto com a canção.

1

Já na segunda tiragem ela foi inclusa como última música do lado A do disco. A obra conta com o famoso misticismo de Raul e sua temática diversificada, abordando assuntos polémicos, como a religião.

A primeira canção “D.D.I" (discagem direta interestelar) coloca o cantor na voz de deus passando uma mensagem aos seres humanos de maneira cômica e crítica. Uma das baladas românticas mais famosas de Raulzito é a segunda faixa do disco “Coisas do Coração”Além disso, Raul homenageia fortemente a jovem guarda, movimento do qual fez parte e que tem influência de sua grande paixão, o rock dos anos 1950. A participação de Wanderléia, ícone da jovem guarda, marca o tributo na canção “Quero Mais”.

Existem também duas versões de clássicos do rockabilly. “Não Fosse o Cabral” versão de “Slippin' and Slidin” canção de Little Richard famosa na voz de Jerry Lee Lewis, que Raul Seixas transformou em uma crítica ao nosso país tropical. A outra é Babilina, outro clássico americano que o artista adaptou para o popular brasileiro, que conta da paixão do interlocutor por uma garota de programa, com grandes pitadas de “raulseixismo”.

O disco segue com diversas temáticas e críticas, dessa vez com um instrumental mais simples, que sobressai a voz de Raul. Além de rock ‘n’ roll, o álbum traz uma moda sertaneja que sempre é lembrada no legado do cantor, “Capim Guiné”. Ainda podemos apreciar uma canção ao vivo presente no disco, “So Glad You’re Mine” de Arthur Crudup, uma gravação que conta com uma breve introdução sobre o rock ‘n’ roll contada por Raulzito antes da execução da última e maravilhosa faixa do disco, que o fecha de maneira impecável.

Última modificação em Sexta, 06 Setembro 2019 19:55

Instagram Casal Cultural